As Notícias do Brasil
Publicado em 17/04/2015, às 13:52
Fonte: iG, Instituto Trata Brasil, G1, Ministério das Cidades

Tarifa da água pode aumentar 22,7% em São Paulo

Na última quarta-feira (15), a Sabesp divulgou pedido de reajuste de 22,7% das tarifas de água da Região Metropolitana de São Paulo. O índice é quase nove pontos superior aos 13,9% propostos pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp). A diferença decorre da compensação de prejuízos que a companhia afirma ter tido em 2013 e 2014, e pelos quais pediu ressarcimento agora, embora pudesse tê-lo feito antes.

O maior problema é que quem sempre paga a conta é o cidadão. Segundo o Instituto Trata Brasil, incríveis 35,8% da água tratada da cidade de São Paulo se perde ainda na distribuição. E por qual motivo a Sabesp não investe na contensão dos vazamentos e desvios clandestinos?

O aumento, que ainda precisa ser aprovado pela Arsesp, fará com que as contas de quem gasta até 10 mil litros por mês subam R$ 8,13 por mês. Estão nessa faixa 55% dos clientes da companhia na RMSP. Para quem consome 13 mil litros, a alta prevista é de R$ 11,94 por mês.

O índice final deverá ser divulgado pela Arsesp em 25 de abril e pode ser aplicado pela Sabesp a partir de 30 dias depois de publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo.

A proposta foi criticada por organizações da sociedade civil como a Assembleia Estadual da Água, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), a Associação Proteste e o Greenpeace.

A proposta de elevar as contas em 22,7% surge quatro meses após a Sabesp aplicar um reajuste de 6,5% nas contas, em dezembro passado. Esse aumento, que deveria ter sido aplicado em maio de 2014, com um índice de 5,4%, foi postergado para depois das eleições para o Governo do Estado.

A Sabesp considerou, entretanto, que esse índice é insuficiente pois não contempla as perdas sofridas pela empresa nos anos de 2013 e 2014, e que entendeu só seriam compensadas em 2017, quando é feita a revisão completa da política tarifária. Por isso, pediu os 22,7% para serem aplicados já neste mês.

A crise fez o lucro da Sabesp cair 53% em 2014 em relação a 2013. Esse foi o percentual de recuo nos juros e dividendos pagos aos acionistas da empresa - o maior deles é o Estado de São Paulo -, que caíram para R$ 252,3 milhões. Os investimentos da empresa também saíram prejudicados. O volume de recursos aplicados em coleta de esgoto em 2015 será de R$ 843 milhões, ante R$ 1,9 bilhão de 2014.

Por incrível que pareça...

Atualmente o Estado de São Paulo possui uma das tarifas de água mais baratas do Brasil, estando na 20a colocação no ranking. Com o possível aumento de 22,7%, o Estado pularia para a 13a posição, com o valor médio de R$ 2,81/m3 de água. No topo da classificação está o Rio Grande do Sul, com valor médio de R$ 4,18/m3 de água.