Notícias

21.01.2019
Cultura

SP465 anos: conheça fatos e curiosidades da Revolução de 32

O Obelisco do Ibirapuera, que nesta quarta-feira será agraciado pela Associação Eu Amo o Brasil com a instalação de 36 bandeiras, em evento comemorativo aos 465 anos de São Paulo, é o maior monumento da cidade e foi construído em homenagem aos heróis da Revolução Constitucionalista de 1932.

Mas você sabe qual a importância deste episódio na história do nosso Brasil?

O então oficial da Força Pública de Minas Gerais na época, Juscelino Kubitschek, referiu-se à Revolução da seguinte maneira “...uma daquelas causas pelas quais os homens podem viver com dignidade e morrer com grandeza”. Já Euclides Figueiredo, que comandou uma das principais Divisões do Exército Constitucionalista, disse considerar a Revolução “o mais brilhante movimento cívico da história do Brasil republicano”.

A Revolução ocorreu dois anos após Getúlio Vargas chegar ao poder e revogar a Constituição vigente à época (criada em 1891), dando poder ilimitado ao seu governo e destituindo os presidentes dos Estados. Foi então que, no dia 9 de julho de 1932, São Paulo se unia para um dos mais belos movimentos da história.

A Revolução Constitucionalista foi uma explosão de idealismo a qual não se ocasionou por conquista ou poder. Os mais de seis milhões de habitantes do Estado aplaudiram e aderiram ao movimento de forma unânime. O poeta da Revolução, como ficou conhecido Guilherme de Almeida, escreveu “Deu-se em São Paulo o fenômeno da fusão perfeita de todos os fatores de uma nacionalidade. Não houve, então, distinção de cor política, nem de credos religiosos, nem de idade, nem de nacionalidade, nem mesmo de sexo, porque a mulher foi tão forte quanto o homem. Nisso é que residiu a beleza da nossa epopeia”. A Revolução de 32 foi um exemplo de ideal e civismo, vencendo a batalha no ponto de vista ideológico e alcançando seu maior objetivo com o advento da Constituição de 1934, que introduziu o voto secreto e o voto das mulheres.

Hoje, no Monumento Obelisco Mausoléu, no Ibirapuera, estão imortalizados os participantes desta Revolução. Desde os generais até os mais simples combatentes, sem distinção de raça, credo ou cor.