As Notícias do Brasil
Publicado em 28/01/2015, às 16:17
Fonte:

Maioria dos casos de violência contra jornalistas em 2014 ocorreu em manifestações

 

A FENAJ (Federação Nacional dos Jornalistas) lançou na última semana o 'Relatório 2014 da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil'. Segundo o levantamento, no ano passado foram registrados 129 casos de agressões a jornalistas, dentre elas 3 mortes.

Das 129 agressões contra jornalistas identificadas, 50,4% (65), aconteceram durante manifestações de rua. Destas,48,06% foram praticadas por policiais e 12,4% por manifestantes. A região Sudeste foi, mais uma vez, identificada como a mais violenta para os jornalistas, com 55,81% das agressões.

relatório traz dados por região, estado, gênero, tipo de mídia e agressores, além do relato dos casos. E embora os registros apontem uma redução de 30% das agressões em relação a 2013, os casos de violência extrema - assassinato - aumentaram em relação a anos anteriores.

Assassinatos

O assassinato do repórter cinematográfico da Band do Rio de Janeiro, Santiago Ilídio Andrade, foi apontado como o mais emblemático da violência contra jornalistas registrada no ano passado. Ele foi atingido por um artefato explosivo, lançado por um manifestante durante um protesto popular realizado no dia 6 de fevereiro de 2014, foi hospitalizado e morreu quatro dias depois.

Os responsáveis foram identificados, presos e respondem a processo criminal. O mesmo desfecho não se verificou nos outros dois casos de assassinatos ocorridos no ano passado: os dos jornalistas Pedro Palma, do Rio de Janeiro, e Geolino Lopes Xavier, conhecido como Geo, da Bahia.

Estes crimes tiveram características de assassinatos por encomenda, seus autores não foram identificados e permanecem impunes. No relatório foi registrada, também, a morte de três radialistas e um blogueiro, não computados nos dados gerais por não pertencerem à categoria, além da morte de quatro jornalistas em crimes não relacionados com o exercício da profissão.

 

*Com informações da FENAJ