As Notícias do Brasil
Publicado em 15/12/2015, às 15:18
Fonte:

Consumidor compulsivo vs. Consumo consciente

Pesquisa realizada pela Shopper Experience avaliou o protagonismo, as perspectivas e a satisfação do mercado quanto ao consumo consciente no Brasil e percebeu como a responsabilidade pela aquisição compulsiva de produtos e serviços caiu sobre o consumidor final de um ano pra cá. A Shopper Experience trabalha com avaliação do atendimento de demandas de produtos e serviços por meio da atuação de clientes secretos.

Em 2014, 64% dos entrevistados consideravam os consumidores finais os principais responsáveis por aquisições e negócios conscientes; hoje, 97% concordam com essa prerrogativa.

Pensando em fomentar a reflexão no consumidor final, o Instituto Akatu – associação sem fins lucrativos, que atua na conscientização e na mobilização da social para o consumo consciente – formulou uma lista de doze atitudes para o consumo ser um instrumento de bem-estar, não um fim em si mesmo.

1. Não seja impulsivo nas compras. A impulsividade é inimiga do consumo consciente. Planeje antecipadamente e, com isso, compre menos e melhor. 

2. Avalie os impactos do seu consumo. Leve em consideração o meio ambiente e a sociedade em suas escolhas de consumo.

3. Consuma apenas o necessário. Reflita sobre suas reais necessidades e procure viver com menos.

4. Reutilize produtos e embalagens. Não compre outra vez o que você pode consertar, transformar e reutilizar.

5. Separe seu lixo. Recicle e contribua para a economia de recursos naturais, a redução da degradação ambiental e a geração de empregos.

6. Use crédito conscientemente. Pense bem se o que você vai comprar a crédito não pode esperar e esteja certo de que poderá pagar as prestações.

7. Conheça e valorize as práticas de responsabilidade social das empresas. Valorize as empresas quanto a responsabilidade que apresentam com seus funcionários, a sociedade e com o meio ambiente.

8. Não compre produtos piratas ou contrabandados. Compre sempre do comércio legalizado e, dessa forma, contribua para gerar empregos estáveis e para combater o crime organizado e a violência.

9. Contribua com a melhoria de produtos e serviços. Adote uma postura ativa. Envie às empresas sugestões e críticas construtivas sobre seus produtos e serviços.

10. Divulgue o consumo consciente. Seja um militante da causa: sensibilize outros consumidores e dissemine informações, valores e práticas do consumo consciente. Monte grupos para mobilizar seus familiares, amigos e pessoas mais próximas.

11. Cobre dos políticos. Exija de partidos, candidatos e governantes propostas e ações, que viabilizem e aprofundem a prática de consumo consciente.

12. Reflita sobre seus valores. Avalie constantemente os princípios que guiam suas escolhas e seus hábitos de consumo.

 

Por Jessica Albuquerque para EAB