As Notícias do Brasil
Publicado em 09/01/2015, às 16:10
Fonte:

Conheça a história do artista plástico Aleijadinho

 

Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, nasceu por volta de 1738 (não se sabe a data exata porque não existe documento que comprove), na cidade mineira de Vila Rica (atual Ouro Preto), em Minas Gerais. Antônio era filho do português Manuel Francisco Lisboa com a escrava Isabel.

Quando criança, Antônio foi um menino muito curioso. Determinado, ele queria saber de tudo. Adorava passar seu tempo na oficina de carpintaria do pai, onde aprendeu desenho, arquitetura e ornamentos. Mas a arte que ele mais amava fazer era a escultura. Ainda pequeno, aprendeu música, latim e religião com os padres da cidade. Conta a história que ele sofreu terríveis preconceitos por ser mulato e que só conseguiu estudar os primeiros anos do colégio.

Quando jovem, Antônio decidiu que seguiria os passos do pai e foi trabalhar na oficina. Depois de um tempo, seu trabalho começou a ser disputado entre várias igrejas. Suas esculturas eram feitas de pedra-sabão, uma matéria-prima brasileira.

Doença

Hoje, Antônio Lisboa é mais conhecido como Aleijadinho. Esse apelido veio de uma grave doença que o deixou deformado. Mas não se sabe ao certo qual era a enfermidade. Com mais ou menos 40 anos de idade, lá por 1777, o artista perdeu os movimentos das mãos e dos pés. Mesmo assim, Aleijadinho continuou a trabalhar com os instrumentos amarrados nos punhos.

Com a doença, o escultor se fechou no seu mundo. De alegre e extrovertido, passou a ser triste e amargurado. Além de destruir mãos e pés, a doença também entortou seu rosto. Sua aparência assustava as pessoas. Por isso, saía de casa somente quando necessário, coberto por uma capa e usando um chapéu de abas bem longas.

No fim de sua vida, ele ainda trabalhava muito; e quando perdeu a visão, em 1812, deixou sua oficina. Morreu em 1814, com mais ou menos 76 anos, pobre e doente, na cidade de Ouro Preto. 

Obra

As obras de Aleijadinho, que ficam no interior e nas fachadas de igrejas de Minas Gerais, incluem estátuas, lavabos e esculturas. Atualmente considerado o mais importante artista plástico do barroco mineiro, Aleijadinho é comparado aos grandes mestres italianos, mesmo sem nunca ter saído do Brasil.

Os especialistas em obras de arte costumam dividir a produção de Aleijadinho em duas fases: na primeira, anterior à doença, suas obras refletiam a alegria de sua juventude. São dessa época a Igreja de São Francisco de Assis (um dos exemplos mais notáveis do barroco internacional), e a Igreja Nossa Senhora das Mercês e Perdões (as duas na cidade de Ouro Preto). 

Na segunda fase, depois da doença, a obra do artista é triste, amargurada e sofrida. É deste período o conjunto de esculturas Os Passos da Paixão e Os Doze Profetas, da Igreja Bom Jesus de Matosinhos, na cidade de Congonhas do Campo.

Museu Aleijadinho

O Museu Aleijadinho funciona em um Circuito que abrange três igrejas históricas de Ouro Preto: Santuário Nossa Senhora da Conceição, Igreja de São Francisco de Assis e Igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões. Ele funciona de terça a domingo, das 8h30 às 11h50 e de 13h30 às 17 horas.

 

*Com informações do EBC e do Museu Aleijadinho